Nesta Série, Antônio da Cruz se propõe a uma dupla narrativa. Na maioria das obras retrata a arquitetura de Aracaju junto com elementos futuristas, máquinas, naves, seres distintos, fundindo o imaginário do autor com a realidade em um surrealismo sci-fi. Em outras obras desta série, Aldeia Flutuante, Cidadela Suspensa e Mundos 2, Cruz permite-se viajar livremente na criação de Mundos imaginários. Mas independente de estar em uma Aracaju do futuro ou em um mundo imaginário, qualquer um dos Mundos pode ser povoado pela imaginação do observador.